História da Farmácia

08/06/2010 10:29

No início das Ciências da saúde, houve época que, na pessoa do sacerdote estavam embutidos o médico, o farmacêutico e o psicólogo, entre outros.

Em 1240, a farmácia foi separada oficialmente da medicina por um edital de Frederico II, imperador da Prússia, que estabeleceu na mesma época um código de ética profissional.
Bem recente, há algumas décadas, ainda existiam farmácias com seus profissionais farmacêuticos habilitados, que formavam um vínculo de confiança na relação médico-farmacêutico-paciente.
Com o advento da indústria, seguiu-se uma tática de separação entre estes dois profissionais, fazendo com que hoje se sintam distantes entre si e até mesmo se desconheçam profissionalmente.
Com o ressurgimento da Farmácia de manipulação, como atividade restrita do profissional farmacêutico, aconteceu de forma natural o restabelecimento real deste profissional e consequentemente sua formação completa, que vai desde o preparo do medicamento até a sua dispensação, onde orienta-se corretamente o paciente quanto ao uso e aos cuidados, podendo também orientar os médicos quanto as dosagens, farmacologia e interações dos medicamentos.
A farmácia hoje tem por objetivo a promoção da saúde através da personalização da relação de confiança entre médico-farmacêutico-paciente.
Com muita certeza, hoje tem-se um tratamento altamente diferenciado na área de saúde e cada vez mais se fortalece o elo entre o médico e o paciente.


Símbolo da Farmácia

A taça com a serpente nela enrolada é internacionalmente conhecida como símbolo da profissão farmacêutica. Sua origem remonta à antigüidade, sendo parte das histórias da mitologia grega. Segundo as literaturas antigas, o símbolo da Farmácia ilustra o poder (cobra) da cura (taça).

Tudo começou com um centauro: Chiron. Ao contrário da maioria dos de sua raça, caracterizados pela selvageria e violência, Chiron se dedicou aos conhecimentos de cura. Teve como um dos seus discípulo o deus Asclépio (também denominado Esculápio), ao qual ensinou os segredos das ervas medicinais. Asclépio se tornou o deus da saúde e tinha como símbolo um cetro com duas serpentes nele enroladas. Contudo, ele não utilizava seu conhecimento somente para salvar vidas, mas usava seu poder para inclusive ressuscitar pessoas. Descontente com a quebra do ciclo natural da vida, Zeus resolveu intervir. Os deuses entraram então em batalha e Zeus acabou matando Asclépio com um raio. Com a morte de Asclépio, a saúde passou a ser responsabilidade de sua filha Hígia, que se tornou dessa maneira a deusa da saúde. Hígia tinha como símbolo uma taça que com sua promoção foi adicionada por uma serpente nela enrolada. Essa cobra é, obviamente, uma representação do legado de seu pai. Assim o símbolo de Hígia da taça com a serpente se tornou, posteriormente, o símbolo da farmácia.Segundo as literaturas antigas, o símbolo da Farmácia ilustra o poder (cobra) da cura (taça).


Farmacopeia

Farmacopéia Brasileira

A Farmacopéia Brasileira é o Código Oficial Farmacêutico do País, onde se estabelece a qualidade dos medicamentos em uso no Brasil. É elaborada pela Comissão Permanente de Revisão da Farmacopéia Brasileira (CPRFB), uma comissão oficial nomeada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA), instituída junto à Diretoria de Medicamentos e Produtos.

De um modo geral, a função de uma farmacopéia é estabelecer os requisitos de qualidade que os medicamentos devem obrigatoriamente obedecer. Esses requisitos incluem todos os componentes empregados na fabricação dos medicamentos.

Mais detalhes em http://www.farmacopeia.org.br


História dos Medicamentos

Na GRÉCIA ANTIGA, ensinava-se que o filho do deus APOLO com a mortal de rara beleza CORONIS (que por sua vez era filha de Flégias , reis dos Lápitas,da Tessália), Asclépios (para os Gregos ) e ESCULÁPIO (para os Romanos), era o deus da Medicina cujo culto se estendeu por todo o mundo Grego, porém por sua mãe ter sido uma mortal, às vezes aparece como herói-médico, tendo sido educado por um Centauro-QUIRON- que o ensinou a caça e a medicina . Tornando-se muito hábil na arte da cirurgia. É sempre apresentado como jovem, gentil e calmo, carregando um rústico bastão , no qual se enrola uma
serpente.

Na antiga Grécia, toda vez que havia uma peste ou uma epidemia, os médicos saiam para matar as cobras, pois acreditavam que estas (seres demoníacos),
eram as causadoras das doenças. Estando com a cobra enrolada em seu bastão, Asclépio tem o domínio da causa da doença, curando portanto seus pacientes.
A filha desse, HÍGIA, era a deusa da Saúde. Com o tempo , a serpente no bastão de Asclépios, se tornou o símbolo da Medicina , já a taça e a serpente de Hígia passaram a ser o símbolo da Farmácia.

Após a fase de Mitologia da Humanidade surge na Grécia, a FILOSOFIA (o LOGOS) pôr volta do século VI a.C.

O Médico HIPÓCRATES que viveu no séc. IV a.C. em Cós, Ilha do litoral Grego, é considerado o fundador da medicina racional, pois fez referências em seus
escritos a formas e operações farmacêuticas . Com isto ele definiu claramente o profissional de saúde dos sacerdotes e outros que a sua maneira
tentavam curar os enfermos.

DIOSCÓRIDES, séc. I E.C., acompanhava os exércitos Romanos em suas conquistas, colhendo informações sobre plantas que poderiam ser utilizadas
na medicina . Tornou-se autoridade mundialmente conhecida durante muitos anos.

A grande contribuição da medicina e farmácia Árabe foi preservar para o Ocidente todo o conhecimento acumulado pelos Gregos enriquecendo-as com seus
próprios avanços em Química, Farmácia, Botânica e Administração Hospitalar. Os Árabes desenvolveram e aperfeiçoaram métodos como os de evaporação,
filtragem, sublimação, destilação cristalização , métodos para a preparação de mercúrio , sulfureto e óxido arsenioso, vitríolo, alume, acetado de
chumbo, ácidos sulfúricos e nítricos brutos (combinados como água régia). Foram entre outros medicamentos introduzidos pêlos árabes: o âmbar, o
almíscar, cravo-da-índia, pimentas, o gengibre chinês, a noz-de-areca, o sândalo, o ruibarbo, a noz-moscada, a cânfora ,a Sena, o cassis e a noz-vômica.


A Maldição da Profissão Farmacêutica.... 

Conta a lenda que quando Deus liberou para os homens o conhecimento sobre medicina e medicamentos, determinou que aquele "SABER" ficaria restrito a um grupo muito pequeno e selecionado. 

Entretanto, nesse pequeno grupo, onde todos se consideravam "semi-deuses", já havia aquele que trairia as determinações divinas... Foi aí que o pior aconteceu! Deus, bravo com a traição resolveu fazer valer alguns mandamentos: 

1º Não terás vida pessoal, familiar ou sentimental. 

2º Não verás teu filho crescer. 

3º Não terás feriado, fins de semana ou qualquer outro tipo de folga. 

4º Terás gastrite, se tiveres sorte. Se for como os demais terás úlcera. 

5º A pressa será teu único amigo e as suas refeições principais serão os lanches, as pizzas e o china in box. 

6º Teus cabelos ficarão brancos antes do tempo, isso se te sobrarem cabelos. 

7º Tua sanidade mental será posta em cheque antes que completes 5 anos de trabalho; 

8º Dormir será considerado período de folga, logo, não dormirás. 

9º Trabalho será teu assunto preferido, talvez o único. 

10º As pessoas serão divididas em 2 tipos: as que entendem de remédio e as que não entendem. E verás graça nisso. 

11º A máquina de café será a tua melhor colega de trabalho, porém, a cafeína não te farás mais efeito. 

12º Happy Hours serão excelentes oportunidades de ter algum tipo de contato com outras pessoas loucas como você. 

13º Terás sonhos, com remédios, e não raro, resolveras problemas de trabalho neste período de sono. 

14º Exibirás olheiras como troféu de guerra. 

15º E, o pior... Inexplicavelmente gostarás de tudo isso!!! 


Áreas de atuação e especialidades farmacêuticas

Alimentos - É responsável pela realização de exames químicos e microbiológicos para análise de aspectos nutricionais; acompanhamento do processo de fabricação de alimentos, incluindo o seu desenvolvimento e o seu controle de qualidade.

Análises Clínicas - Realização de testes em laboratórios para diagnósticos clínicos; desenvolvimento e produção de kits para exames laboratoriais.

Análises Toxicológicas - É responsável pela realização de exames em substâncias humanas, animais e vegetais, alimentos ou em ambientes, com a finalidade de detectar a contaminação por agentes tóxicos (drogas, medicamentos ou substâncias químicas em geral).

Farmácia - Preparação de medicamentos de acordo com prescrição de profissionais da área de saúde. Atua no controle e distribuição de remédios.

Farmácia Industrial - Produção de medicamentos, vacinas, cosméticos e produtos de higiene pessoal e para ambiente.

Medicamentos - Desenvolve pesquisas nas industrias farmacêuticas com o intuito de descobrir novas drogas.

Vigilância Sanitária - Cuida da análise e controle de produtos industrializados de acordo com as normas vigentes de comercialização.


Características necessárias para ser um farmacêutico.

Interesse por química, biologia e pesquisa. Capacidade de observação, atenção aos detalhes, concentração, dedicação, acuidade olfativa e visual; disciplina, curiosidade, método, habilidade numérica e manual.

Características desejáveis:

Atenção a detalhes
Boa visão
Bom olfato
Capacidade de concentração
Capacidade de observação
Curiosidade
Espírito de investigação
Facilidade para matemática
Gosto pela pesquisa e pelos estudos
Habilidade manual
Interesse pelas ciências
Método
Senso de responsabilidade

 

OBRIGADO PELA SUA VISITA, VOLTE SEMPRE.